Pedro & João

Ir para o Conteúdo Principal »

Busca no Site

Você está agora em:

Tradução e interculturalidade: pontos de convergência

Tradução e interculturalidade: pontos de convergência

Duplo clique na imagem acima para visualizá-la maior

Reduzir
Aumentar

Mais Visualizações

Tradução e interculturalidade: pontos de convergência

Enviar para um amigo

Seja o primeiro a comentar este produto

Disponibilidade: Esgotado.

R$35,00

Descrição do Produto

        Os organizadores deste livro intitulado Tradução e interculturalidade: pontos de convergência são uma professora do Campus de Bragança da Universidade Federal do Pará, Raimunda Benedita Cristina Caldas e dois pesquisadores do Programa de Pós-Graduação: Fernando Alves da Silva Júnior e Larissa Fontinele de Alencar. Eles oferecem ao leitor pesquisas sobre os Estudos da Tradução e sua interface com a interculturalidade.

       O tradutor tem o poder de revelar o outro em todos os níveis da sociedade. Ao estabelecer uma relação interativa entre as culturas, o tradutor escolhe se quer continuar a “tradição” ou transgredi-la por meio da importação de palavras estrangeiras e da criação de neologismos. Dependendo das estratégias adotadas pelo tradutor, a assimilação ao estrangeiro ou a abertura inovadora da língua e da cultura existente serão reforçadas. De qualquer modo, o tradutor está envolvido, conscientemente ou não, na luta pela visibilidade ou para o reconhecimento internacional de uma literatura.

     Uma das perguntas básicas feitas por Pym é como alguém se torna tradutor. Será que é porque é bilíngue? pergunta. Este critério, segundo ele, não influencia o fato de que alguém se torne tradutor, porque na maioria das vezes, disse Pym, o tradutor mantém uma ligação emocional com uma cultura particular ou um autor específico. O tradutor traduz porque ele tem prazer em traduzir, em desvendar o outro. A hipótese de Pym (1998) é a da intercultura que esclarece que a nacionalidade do tradutor realmente importa porque, segundo ele, o tradutor se situa na intersecção de no mínimo duas culturas, ou seja, no espaço intercultural.

    Ao contrário, portanto, Berman (1995) que estabelece uma divisão binária entre duas culturas, Pym diz não somente que os tradutores não pertencem a uma só cultura, mas que eles [os tradutores] são a intercultura.

 

Profa. Dra. Marie-Hélène Catherine Torres [Apresentação do livro]

Informações Adicionais

Autor Raimunda Benedita Cristina Caldas; Larissa Fontenele de Alencar; Fernando Alves da Silva Júnior (Orgs.)
Ano de Publicação 2016
Páginas 233
Tamanho 14 x 21
ISBN 978-85-7993-282-3

Tags do Produto

Acrescentar suas Tags:
Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.
 

Meu Carrinho

Você não tem itens no seu carrinho de compras.