Dimensões subjetivas da dor física crônica: perspectivas psicanalíticas PE368697

Dimensões subjetivas da dor física crônica: perspectivas psicanalíticas

Ref.: PE368697 Compra Segura

Rodrigo Sanches Peres (Organizador) !@
Dimensões subjetivas da dor física crônica: perspectivas psicanalíticas. São Carlos: Pedro & João Editores, 2019. 107p.
ISBN 978-85-7993-692-0
1. Dor física crônica. 2. Dimensões subjetivas da dor. 3. Psicanálise e dor física. 4. Autores. I. Título.
CDD – 150

R$ 25,00

Escolha uma opção

Produto indisponível

Em torno dos aspectos subjetivos do sofrimento:

re(per)cursos de “pesquisa-dor”

 Manoel Antônio dos Santos[1]

 

Em caprichada edição, de refinado acabamento gráfico e sofisticada urdidura teórica e técnica, o livro Dimensões subjetivas da dor física crônica: perspectivas psicanalíticas, organizado pelo professor Rodrigo Sanches Peres (2019), apresenta um panorama atual de resultados de pesquisas realizadas com inconfundível rigor acadêmico. Esta obra, de elaborada fatura, sem dúvida traduz o amadurecimento intelectual deste pesquisador e vem ao encontro do leitor que se interessa por questões teórico-clínicas da Psicanálise contemporânea. Trata-se de um livro bem concebido, que se endereça a todos aqueles que se voltam não apenas para as dimensões teóricas da dor, mas também à clínica psicanalítica como um campo de experiência emocional.

O professor Rodrigo Sanches Peres tem se dedicado, nos últimos anos, ao desenvolvimento da linha de pesquisa “Dimensões subjetivas da dor física crônica”, com a colaboração de seu grupo de pesquisa sediado na Universidade Federal de Uberlândia. O presente livro é fruto do trabalho extraordinário de alunos de graduação e pós-graduação, bem como de outros professores e pesquisadores que orbitam em torno da liderança intelectual do professor Rodrigo. Apesar de recente, tal iniciativa surpreendentemente já resultou na produção de estudos que elucidam importantes fatores psicológicos da dor com base em aportes da Psicanálise.

Do ponto de vista estrutural, a obra está organizada em quatro capítulos, sendo que, no primeiro, Rodrigo Sanches Peres apresenta as fundações teóricas. As instigantes articulações entre dor crônica, melancolia e inibição, são tratadas no capítulo 2, escrito por Isabela Barros Marquez e Rodrigo Sanches Peres. Os aspectos psicopatológicos da fibromialgia, lidos a partir da lente conceitual da Psicossomática Psicanalítica, são abordados no capítulo 3 por Rodrigo Sanches Peres e Karina Soldati. E, alinhavando a obra, é discutida a interface dor e sexualidade na fibromialgia, no capítulo de Neftali Beatriz Centurion e Rodrigo Sanches Peres.

Os capítulos se articulam entre si com elegância ao expressarem contribuições singulares do “pesquisa-dor” – isto é, aquele cientista que se dedica a desvendar os aspectos subjetivos da dor a partir do inconsciente. Grafo propositalmente “pesquisa-dor”, escandindo o substantivo, para explicitar a polissemia que a palavra comporta. O psicanalista que pesquisa a dor, nas suas dimensões intra e inter-subjetivas, problematiza a complexidade dos fenômenos que interferem no desenvolvimento emocional.

A clareza da linguagem é uma marca distintiva nos textos enfeixados no livro. A escrita é concisa e precisa, o que imprime fluência à leitura e convida o leitor a se apropriar, passo a passo, do processo de teorização. Os capítulos articulam aspectos que habitam a borda enigmática da qual emana a pulsão entre o organismo e o psiquismo (Peres & Santos, 2005, 2010, 2012). Os autores subscrevem a concepção freudiana de fronteira móvel, em permanente expansão, renunciando à dicotomização cartesiana ao marcar a impossibilidade de polarização entre mente e corpo. Ao fazê-lo, os autores assumem um posicionamento que inclui uma concepção dinâmica e multideterminada de psiquismo. Assim, os capítulos se sucedem abordando diferentes facetas do problema investigado, amplificando-as generosamente.

É preciso que se diga que esta obra é muito bem-vinda no cenário atual particularmente desafiador no qual nos encontramos no campo da saúde mental. O contexto contemporâneo traz em germe oportunidades de crescimento e desenvolvimento que, se bem aproveitadas, podem contribuir para a superação dos inúmeros desafios que enfrentamos no cotidiano das práticas em saúde. Como profissionais de saúde mental, os(as) psicólogos(as) devem envidar esforços para consolidar a meta de uma assistência de qualidade extensiva a toda a população. Para tanto, é necessário garantir uma formação acadêmica que habilite, tanto do ponto de vista teórico como prático, o(a) futuro(a) profissional que atuará nesses contextos. Parte desse esforço está condensada nos capítulos que compõem o livro em questão.

Um dos méritos da obra é levar o leitor a pensar a figura intrincada da dor pelo vértice da construção rigorosa da Psicanálise. A dor é um fenômeno multidimensional que compreende a busca de significados para uma crise produzida pela impossibilidade de nomeação (Rocha, 2011; Santos & Peres, 2016; Santos & Rudge, 2014). A dor é um resíduo insolúvel, um resto irredutível da experiência errática e silenciosa que não se inscreveu a não ser pela via intrusiva nos meandros do corpo e que ali persiste à medida que resiste reiteradamente à nomeação. Mas também é a herança e a margem de intransigência do fazer de toda uma vida, que se projetam como um elemento abissal em sua dimensão histórica.

Os autores remontam à obra de Freud não como um legado a ser reverenciado, mas como uma tradição a ser referenciada e, merecidamente, dilatada e ampliada (Besset, 2014; Peres, 2019). Uma das faces dessa complexidade é a relação entre constituição psíquica e a temporalidade que a constitui, a nos lembrar que a dinâmica subjetiva é resultante de nossa inserção nas malhas da cultura e do processo histórico. Essa inserção situa o vínculo emocional na dimensão da temporalidade, o que aparece amplificado na relação transferencial, como bem o sabem os interessados na prática clínica e na experiência de cuidar da dor do outro.

Os conceitos alinhavados neste livro oferecem subsídios para a diversidade de cenários nos quais a atuação do(a) profissional de Psicologia se faz presente na contemporaneidade, na busca incessante para que a dor se deixe traduzir sob o império da palavra para que, finalmente, no enlace entre o corpo e a linguagem, se faça sofrimento significado.

 

 

Referências

 

Besset, V. L. (2014). Dor: visão psicanalítica. In: A. G. Portnoi (Org.), A psicologia da dor (pp. 3-14). São Paulo: Guanabara Koogan.

Peres, R. S. (Org.) (2019). Dimensões subjetivas da dor física crônica: perspectivas psicanalíticas. São Carlos: Pedro & João Editores.

Peres, R. S., & Santos, M. A. (2005). Pensamento operatório, desorganização progressiva e somatização: considerações sobre a psicossomática psicanalítica de Pierre Marty. Tempo Psicanalítico, 37, 207-227.

Peres, R. S., & Santos, M. A. (2010). O conceito de psicose atual na psicossomática psicanalítica de Joyce McDougall. Revista Brasileira de Psicanálise, 44(1), 99-108.

Peres, R. S., & Santos, M. A. (2012). Psicossomática psicanalítica: intersecções entre teoria, pesquisa e clínica. Campinas, SP: Alínea.

Rocha, Z. (2011). A dor física e psíquica na metapsicologia freudiana. Mal-Estar e Subjetividade, 11(2), 591-621.

Santos, B. A. L., & Peres, R. S. (2016). Aspectos subjetivos da dor física: mapeamento das primeiras contribuições metapsicológicas freudianas. Psicologia: Teoria e Prática, 18(3), 30-40.

Santos, N. A., & Rudge, A. M. (2014). Dor na psicanálise: física ou psíquica? Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 17(3), 450-468.

 




[1] Professor Titular do Departamento de Psicologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.

Aproveite Também

PARA UMA FILOSOFIA DO ATO RESPONSÁVEL

Mikhail Bakhtin !@
Ano de Publicação 2017
Páginas 160
Tamanho 12 x 21
ISBN 978-85-79930-09-6

R$ 35,00

3x de R$ 11,67 S/ JUROS

Conversa com os mitos

Autor Grupo de Estudos dos Gêneros do Discurso !@
Ano de Publicação 2014
Páginas 322
Tamanho 14 x 21
ISBN 978-85-7993-229-8

R$ 35,00

Dialogando sobre o dialogo na perspectiva bakhtiniana

Autor Augusto Ponzio !@
Ano de Publicação 2016
Páginas 204
Tamanho 16 x 23 cm
ISBN 978-85-7993-335-6

R$ 35,00

O movimento de ocupações estudantis no Brasil

Adriana Alves Fernandes Costa; Luís Antonio Groppo (Orgs.) !@
O movimento de ocupações estudantis no Brasil. São Carlos: Pedro & João Editores, 2018. 328p.
ISBN 978-85-7993-507-7
1. Movimento estudantil. 2. Movimentos de ocupação de escolas. 3. Ocupar e resistir. 4. Formação política. 5. Autores. I. Título.
CDD – 370

R$ 40,00