Educação ambiental: o que eu tenho a ver com isso? PE525511

Educação ambiental: o que eu tenho a ver com isso?

Ref.: PE525511 Compra Segura

Terezinha Corrêa Lindino (Organizadora) !@
Educação ambiental: o que eu tenho a ver com isso? São Carlos: Pedro & João Editores, 2019. 255p.
ISBN 978-85-7993-648-7
1. Educação ambiental. 2. Práticas educacionais ambientais. 3. Formação de professores. 4. Sustentabilidade. 5. Autores. I. Título.
CDD – 370

R$ 40,00

Escolha uma opção

Produto indisponível

APRESENTAÇÃO

 

 Este livro tem como objetivo discutir os impactos que as determinadas profissões produzem ao Ambiente, por meio da atuação profissional. Intenta-se questionar qual deve ser o cuidado na formação dos vários profissionais existentes em nossa sociedade, no que se refere aos conceitos e práticas a serem adotadas após sua graduação, de modo a discutir como a sua formação pode comprometer ou não com a qualidade de vida perseguida nos dias atuais. 

Busca-se, também, elaborar uma obra que analise a influência nas ações promovidas pelos mais variados profissionais existentes sobre a ótica das Ciências Ambientais, especificamente da Educação Ambiental. Por conseguinte, sem a pretensão de esgotar o assunto, este livro foi concebido por meio de estudos e discussões, ocorrido na disciplina Educação Ambiental e Qualificação de Professores, que tem por objetivo discutir o enfoque sócio-político-educacional e a inter-relação entre os fenômenos naturais e os seres vivos; a articulação das linguagens científica popular e poética com os projetos de Educação Ambiental no Brasil e no mundo; o perfil do Educador Ambiental; e a qualificação docente, enfocando os fatores determinantes pela busca de formação continuada em Educação Ambiental, realizada no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Ambientais (PPGCA). Ele é composto por uma coletânea de artigos que se propõem a dialogar intencionalmente a temática supracitada.

Cada capítulo tem por responsabilidade aventar a relação entre a formação e a sua atuação profissional, em conformidade com os precipícios da Educação Ambiental. Para tanto, na primeira parte, intitulado Visões de profissionais sobre a relação da sua profissão com a Educação Ambiental, tem o objetivo de explorar como estão sendo desenvolvida a formação profissional em nossa sociedade, de modo a compreender os desafios da formação acadêmica em diversas áreas na atualidade e analisar as mudanças que nela estão sendo indicadas.

O capítulo proposto por Camila Correia Gabeloni Felipe e Debora Regina Marochi de Oliveira, intitulado Biologia Licenciatura e sua atuação nas Ciências Ambientais, apresenta contribuições históricas sobre a formação dos Biólogos e sua atuação na Educação Ambiental Formal e Não Formal.

O capítulo proposto por Ana Paula Corrêa Fantin, Eloisa Bernardon, Kennedy Pereira da Silveira e Vitor Augusto Brassal, intitulado A Educação Ambiental e o Ensino de Ciências Biológicas: Quem é o responsável pela recuperação do Meio Ambiente?, sugere a relação ambiental existente na Biologia, em especial sobre sua atuação na Educação Ambiental no Ensino Superior.

O capítulo proposto por Bárbara Saatkamp, intitulado A Advocacia na promoção da Educação Ambiental, suscita a análise da advocacia privada e a ordem dos advogados do Brasil, apresentando uma discussão sobre Direito Ambiental e o Meio Ambiente, a evolução histórica da legislação brasileira e o Meio Ambiente e as facetas da advocacia na Educação Ambiental.

O capítulo proposto por Janete Massoni da Silva, intitulado Como acontece a Educação Ambiental do Engenheiro Ambiental, se apoia na descrição da responsabilidade profissional do Engenheiro Ambiental, no exercício de sua profissão e a Educação Ambiental.

O capítulo proposto por Carla Michelon Ribeiro, intitulado Educação Ambiental no campo de atuação da Ciência Geográfica, refaz uma breve nota do caminho do pensamento geográfico, discriminado a Educação Ambiental no olhar da Geografia, apresentando ainda qual é a relação da Geografia com a Educação Ambiental.

O capítulo proposto por Selmar Becker Alves, intitulado Narrativas, significados e compromisso ambiental, propõe ponderar o perfil do jornalista como espectador-narrador ou sujeito político. Desta forma, utiliza a cobertura da mídia na tragédia de Mariana, para discorrer sobre a possibilidade da ação do observatório da imprensa.

O capítulo proposto por Fabrício Duim Rufato, intitulado As múltiplas funções do Psicólogo Ambiental no Meio Ambiente, define Psicologia Ambiental, seu surgimento e suas vertentes; bem como, analisa a percepção de risco em crianças, por meio da discussão sobre apego e identidade de lugar.

O capítulo proposto por Daniele Cerri Valerio e Keiti Lopes Maestre, intitulado Uma relação com diferentes compreensões, discute a relação entre o Meio Ambiente e a Química na perspectiva pedagógica, a química como mediadora de problemas ambientais e a qualidade de vida e a química.

O capítulo proposto por Letícia Croge dos Santos, intitulado A atuação do Serviço Social frente à problemática ambiental, propõe a Educação Ambiental como forma de atuação do Serviço Social em sua busca por capacitação.

Na segunda parte, intitulado Visões de profissionais sobre impactos que sua área promove no Ambiente, tem o objetivo de apresentar como estão sendo desenvolvidas as práticas em Educação Ambiental em nossa sociedade e discutir os impactos (positivos e negativos) que as práticas em Educação Ambiental produzem no Ambiente.

O capítulo proposto por Edimar Lia Pontarolo e Fernando Mantella Dos Santos, intitulado Práticas Educacionais Ambientais aplicadas no Ensino Básico, propõe debater a Educação Ambiental no currículo básico escolar, de modo a expor o papel da escola e do professor na Educação Ambiental e a análise de duas práticas ambientais selecionadas.