A an√°lise do discurso e suas interfaces PE62
-25%

A an√°lise do discurso e suas interfaces

Ref.: PE62 Compra Segura

Autor Leda Verdiani Tfouni, Dionéia Motta Monte-Serrat, Paula Chiaretti (Orgs.) !@
Ano de Publicação 2011
P√°ginas 400
Tamanho 16 x 23
ISBN 978-85-7993-072-0

R$ 60,00 R$ 45,00 Em até 3x de R$ 15,00 sem juros

Escolha uma opção

Produto indisponível

 A An√°lise do Discurso francesa fundada por P√™cheux e colaboradores surgiu do desejo de constru√ß√£o de uma ci√™ncia que trabalhasse para al√©m das fronteiras do conhecimento estabelecidas √† √©poca, por√©m, sem desprezar a sua contribui√ß√£o. P√™cheux na introdu√ß√£o de O Discurso: estrutura ou acontecimento (1983) sintetiza seu desejo ligado √†quilo que chamamos aqui de interface com a hist√≥ria do velho marxista que queria fabricar sozinho sua biblioteca e, para n√£o complicar, deixava de lado as porcas ficando apenas com as roscas, as quais, rodando no vazio desfaziam seu trabalho. A partir dessa articula√ß√£o cr√≠tica, que toma os limites de um campo de conhecimento como engodos, surge este livro, que pretende contribuir para a constru√ß√£o de um aparato te√≥rico e metodol√≥gico de resist√™ncia ao objetivismo abstrato e ao subjetivismo idealista persistentes nas ci√™ncias humanas e que tendem a recalcar os pressupostos de uma teoria do discurso. Os textos aqui apresentados mostram as v√°rias facetas dessa inquieta√ß√£o e atualizam as interfaces constituintes do campo da An√°lise do Discurso desde a sua funda√ß√£o. Ao mesmo tempo, existe uma contribui√ß√£o in√©dita, na medida em que as inquieta√ß√Ķes e a abertura para novas significa√ß√Ķes trazidas pela teoria do discurso requerem essa cont√≠nua atualiza√ß√£o. Da√≠ a denomina√ß√£o ‚ÄúInterfaces‚ÄĚ, pois se refere ao modo de tratamento do di√°logo da An√°lise do Discurso com outros campos do conhecimento tais como psican√°lise, direito, letramento, educa√ß√£o, pol√≠tico, sa√ļde e outros. Apostamos, no entanto, em que, como a completude √© ilus√≥ria, √© preciso deixar espa√ßo para que surjam desejos e demandas que nos levem mais-al√©m, talvez at√© a uma continuidade deste projeto. O importante √© prestar contas √† sociedade, que nos ampara, daquilo que fazemos - uma esp√©cie de contabilidade simb√≥lica sobre como a Universidade preenche uma de suas fun√ß√Ķes sociais, que √© a de produzir e divulgar conhecimento. O livro est√° dividido em cinco eixos tem√°ticos que comportam textos segundo o car√°ter heterog√™neo das contribui√ß√Ķes em suas interfaces com a An√°lise do Discurso p√™cheutiana. A Parte I, O inconsciente, o pol√≠tico e o equ√≠voco, abre com o cap√≠tulo de Helson da Silva Sobrinho, ‚ÄúAn√°lise do discurso e a insuport√°vel luta de classes na teoria e na pr√°tica‚ÄĚ, que aborda a luta de classes atrelada ao discurso em seu processo complexo de produ√ß√£o de sentidos em pr√°ticas dos sujeitos da sociedade capitalista; ao mesmo tempo, descreve o discurso como efeito e trabalho no processo hist√≥rico-social. Gesualda Rasia, em ‚ÄúOs entremeios do discursivo nos campos da l√≥gica e da filosofia‚ÄĚ, articula as no√ß√Ķes de discurso, l√≥gica formal e filosofia, com √™nfase no conceito de determina√ß√£o. Afirma que h√° impossibilidade de apreens√£o plena da realidade, e que √© pela instaura√ß√£o dos fatos contingentes que se constituem os sentidos. No cap√≠tulo ‚ÄúA An√°lise do Discurso e sua interface com o pol√≠tico‚ÄĚ, Erc√≠lia Cazarin descreve o sujeito afetado pelo inconsciente e pela ideologia como espa√ßo de singularidade nos limites contradit√≥rios das diferentes FDs. Relaciona l√≠ngua e ideologia como constitutivas do discurso e define o pol√≠tico como ‚Äúlugar‚ÄĚ de dissenso dentro da no√ß√£o de FD, que abriga a diverg√™ncia e a diferen√ßa. A seguir, Diana Toneto dedica um texto √† ‚ÄúAutoria, deriva e contingente‚ÄĚ, em suas intersec√ß√Ķes com An√°lise do Discurso, Literatura e Psican√°lise, para propor que a literatura, tomada como uma materialidade lingu√≠stica suscet√≠vel √† an√°lise discursiva, pode render bons frutos para os avan√ßos te√≥ricos, tanto do campo da teoria liter√°ria quando do campo da AD. No √ļltimo cap√≠tulo dessa parte, ‚ÄúA carta roubada e a estrutura do inconsciente‚ÄĚ, Leda V. Tfouni, Anderson Pereira e Dion√©ia Monte-Serrat argumentam que o conto ‚ÄúA carta roubada‚ÄĚ, de Edgar Allan Poe, influenciou Lacan quanto aos conceitos de determina√ß√£o simb√≥lica e sujeito, sendo que, para tanto, Lacan parte do conceito de signo como um ‚Äúracioc√≠nio litigioso‚ÄĚ, o que leva a psican√°lise a afirmar que a determina√ß√£o simb√≥lica n√£o pode ser tomada como um ‚Äúsimples acaso‚ÄĚ. A Parte II, que trata da Instala√ß√£o da desigualdade pelo discurso especializado, tem sua abertura com o texto de Virg√≠nia Colares, ‚ÄúAn√°lise cr√≠tica do discurso jur√≠dico‚ÄĚ, que discute o fato de a dogm√°tica jur√≠dica trazer a ilus√£o de neutralidade, e apoiando-se na an√°lise cr√≠tica do discurso, traz √† tona o modo como a desigualdade social se instala por meio do uso da linguagem. Em seguida, Louren√ßo Chacon e Julyana Nascimento escrevem sobre ‚ÄúUm olhar enunciativo-discursivo sobre a hesita√ß√£o em um sujeito com doen√ßa de Parkinson‚ÄĚ e fazem a proposta de que outros fatores, al√©m dos problemas motores da doen√ßa, poderiam contribuir para determinar a ocorr√™ncia da hesita√ß√£o na conversa√ß√£o dos sujeitos parkinsonianos. Encaminham seu estudo para os aspectos enunciativo-discursivos da hesita√ß√£o. No cap√≠tulo ‚ÄúUma an√°lise discursiva do diagn√≥stico em sa√ļde mental‚ÄĚ, Dion√©ia Monte-Serrat e Paula Chiaretti tomam a l√≠ngua como parte do funcionamento social constitutivo do homem e da sua hist√≥ria e abordam o discurso m√©dico sobre os dist√ļrbios mentais para observar como a ideologia, por meio do juridismo inerente a esse discurso, mant√©m o paciente alienado de sua pr√≥pria situa√ß√£o. Encerrando essa parte, o texto de Maria Jos√© Coracini ‚ÄúAspectos metodol√≥gicos e An√°lise de Discurso: migrantes em situa√ß√£o de rua, entre a hos(ti)pitalidade e a anula√ß√£o de si‚ÄĚ, trata da transdisciplinaridade da An√°lise do Discurso praticada no Brasil, enla√ßando os campos da AD e da Psican√°lise a trabalhos em ci√™ncias sociais e tamb√©m √† desconstru√ß√£o derrideana, para realizar a an√°lise discursiva de relatos de moradores de rua. Abrindo a parte III, Interfaces poss√≠veis entre An√°lise do Discurso e Psican√°lise, F√°bio E. Tfouni, em ‚ÄúInterdito e sil√™ncio: uma abordagem no quadrado das oposi√ß√Ķes‚ÄĚ, a partir do recurso √† l√≥gica al√©tica, busca articular e aproximar os conceitos de interdito e de sil√™ncio, na medida em que ambos desempenham um importante papel como fundadores do discurso e da linguagem. No cap√≠tulo ‚ÄúA rela√ß√£o com o feminino em narrativas de duas crian√ßas de rua‚ÄĚ, Leda V. Tfouni e Carolina Molena, fundamentando-se nas perspectivas te√≥ricas da psican√°lise lacaniana e da An√°lise do Discurso de filia√ß√£o francesa (AD), focalizam o posicionamento discursivo, no que tange ao feminino em narrativas de duas crian√ßas de rua. Investigam como a ideologia aloca lugares discursivos que n√£o correspondem √† realidade social-emp√≠rica dos sujeitos. No cap√≠tulo seguinte, Alessandra Carreira, escreve ‚ÄúA panela rachada: autoria, sujeito e heterogeneidade‚ÄĚ, em que, fundamentando-se na interface entre a teoria psicanal√≠tica de Lacan e a An√°lise do Discurso p√™cheutiana, busca relacionar os conceitos de autoria e subjetividade a partir de teoria de Jacqueline Authier-Revuz sobre as heterogeneidades enunciativas. Clarice Paulon e Leda V. Tfouni, em seguida, tratam do ‚ÄúSil√™ncio como estrat√©gia do inconsciente‚ÄĚ, abordando a quest√£o do ponto de vista da tipologia proposta por Orlandi e de uma ocorr√™ncia especial de sil√™ncio estudada por Freud (O esquecimento de Signorelli). As autoras apostam que h√° etapas percorridas por Freud durante seu esquecimento, e estudam as tr√™s vers√Ķes nas quais o autor tenta explic√°-lo. O texto que encerra esta terceira parte √© de Leda V. Tfouni e Marcella Laureano, intitulado ‚Äú‚ÄėQue queres?‚Äô ‚Äď O sujeito do discurso e seu desejo: o papel da ideologia‚ÄĚ. Nesse cap√≠tulo, as autoras prop√Ķem-se a abordar dois conceitos fundamentais para a An√°lise do Discurso de linha francesa (AD) e para a Psican√°lise Lacaniana: a ideologia e o desejo e suas implica√ß√Ķes para o sujeito desejante, e analisam duas narrativas orais de fic√ß√£o produzidas por uma crian√ßa de rua. A Parte IV, Efeitos identit√°rios da m√≠dia, metonimiza√ß√£o e constru√ß√£o do imagin√°rio pela m√°quina discursiva, inicia com o cap√≠tulo de Nilton Milanez, ‚ÄúO n√≥ discursivo entre corpo e imagem: intericonicidade, brasilidade‚ÄĚ, em que sujeito, encadeamentos e hist√≥ria s√£o tomados como uma m√°quina discursiva que constr√≥i o imagin√°rio e produzem identidades para o brasileiro. Para isso, toma o corpo como suporte para a recep√ß√£o e produ√ß√£o de imagens em meio a redes de poder e resist√™ncias, orientado historicamente. O cap√≠tulo seguinte, de Maria do Ros√°rio Gregolin, ‚ÄúAn√°lise do discurso e m√≠dia: a (re)produ√ß√£o de identidades‚ÄĚ, trata dos efeitos identit√°rios resultantes da m√≠dia como pr√°tica discursiva e busca compreender o ‚Äúagenciamento coletivo de enuncia√ß√£o‚ÄĚ, de modo a modelar a identidade hist√≥rica que nos liga ao passado e ao presente. Esta quarta parte do livro encerra-se com o texto de Suzy Lagazzi, ‚ÄúA materialidade significante em an√°lise‚ÄĚ, em que a autora, retomando trabalhos anteriores de constru√ß√£o de an√°lise que passam pelos document√°rios Boca de Lixo e Tereza e do filme Tropa de Elite, prop√Ķe um novo passo: por meio da ‚Äúmetonimiza√ß√£o das imagens‚ÄĚ do filme Linha de passe, que mostra a equivocidade das imagens, para compreender os modos de funcionamento do social. A Parte V trata do Enfoque discursivo do ensino: leitura, autoria, letramento. No cap√≠tulo de abertura, de Freda Indursky, ‚ÄúDiscurso, l√≠ngua e ensino: especificidades e interfaces‚ÄĚ, a autora prop√Ķe-se a mobilizar no√ß√Ķes de discurso e metodologia como caminhos de acesso √†s interfaces que est√£o em jogo quando a quest√£o √© o ensino de l√≠ngua. Apoia-se na concep√ß√£o de discurso formulada por P√™cheux, comentando que ele promove um deslocamento importante e singular que conduz da forma para os sentidos, mais precisamente, para os processos sem√Ęnticos que se instauram entre sujeitos pelo vi√©s do discurso. Em seguida, temos o cap√≠tulo ‚ÄúPesquisa na gradua√ß√£o ‚Äď inicia√ß√£o a uma hist√≥ria do conhecimento‚ÄĚ, de Claudia Pfeiffer, que traz a proposta de que o ensino deve ser pensado discursivamente, como algo que d√° abertura a condi√ß√Ķes de produ√ß√£o para a autoria, pois o espa√ßo do conhecimento resume-se a indagar, inconformar-se, n√£o entender, estranhar, a fim de que o fazer cient√≠fico n√£o se constitua em respostas, mas sim na formula√ß√£o inconformista de perguntas. Escrevendo sobre ‚ÄúProfessoras alfabetizadoras e sua rela√ß√£o com a leitura durante a forma√ß√£o inicial‚ÄĚ, Elaine Assolini, no terceiro cap√≠tulo, baseada na An√°lise do discurso p√™cheutiana, nos postulados da abordagem S√≥cio-Hist√≥rica do Letramento e nas contribui√ß√Ķes de Chartier sobre a leitura, dedica um estudo √† repercuss√£o da rela√ß√£o que professoras alfabetizadoras estabeleceram com a leitura durante suas forma√ß√Ķes iniciais, e suas pr√°ticas pedag√≥gicas atuais. No √ļltimo cap√≠tulo, ‚ÄúPanorama do processo de reifica√ß√£o da escrita numa perspectiva discursiva de letramento‚ÄĚ, Anderson Pereira contrap√Ķe o discurso cient√≠fico (te√≥rico) sobre o letramento √†s an√°lises de produ√ß√Ķes orais de uma mulher n√£o-alfabetizada, e investiga o processo de reifica√ß√£o da escrita, efeito da ilus√£o de obviedade e completude do dizer, e sua consequ√™ncia, que alimenta o poderio simb√≥lico dos discursos altamente letrados. Esperamos dar nossa contribui√ß√£o √† legitima√ß√£o dos escritos infind√°veis produzidos dentro da academia, que, muitas vezes, quedam-se engessados em prateleiras. A palavra √© nossa escolha; n√£o a morte. Finalizando, parafraseamos P√™cheux, na introdu√ß√£o de ‚ÄúO Discurso: estrutura ou acontecimento?‚ÄĚ, em que o autor faz uma cr√≠tica √†queles ‚Äú[...] tempos em que os marxistas pensavam poder construir tudo por si mesmos: a economia, a hist√≥ria, a filosofia, a psicologia, a lingu√≠stica, a literatura, a sociologia a arte [...] e as bibliotecas‚ÄĚ e finaliza: ‚Äú[...] hoje o marxismo procura casar-se ou contrair rela√ß√Ķes extraconjugais‚ÄĚ. Eis o mote deste livro: trazer ao leitor uma opera√ß√£o de leitura fendida, inquieta, aberta.

Aproveite Também

-25%

Resson√Ęncias de P√™cheux em n√≥s

Autor Lucília Maria Sousa Romão !@
Ano de Publicação 2014
P√°ginas 271
Tamanho 16 x 23
ISBN 978-85-7993-173-4

R$ 40,00 R$ 30,00

3x de R$ 10,00 S/ JUROS

-22%

A ESCUTA COMO LUGAR DO DI√ĀLOGO: Alargando os limites da identidade

Autor Grupo de Estudos dos Gêneros do Discurso !@
Ano de Publicação 2012
P√°ginas 364
Tamanho 16 x 23 cm
ISBN 978-85-7993-113-0

R$ 45,00 R$ 35,00

3x de R$ 11,67 S/ JUROS

-33%

ANCORAGENS: estudos bakhtinianos

Autor Jo√£o Wanderley Geraldi !@
Ano de Publicação 2015
P√°ginas 176
Tamanho 16 x 23
ISBN 978-85-7993-000-3

R$ 45,00 R$ 30,00

3x de R$ 10,00 S/ JUROS